Marsa Alam, Egito

Marsa Alam, Egito. Por Packing my Suitcase.

A primeira vez que eu ouvi falar em Marsa Alam, foi através de uma bióloga marinha que trabalhava no hotel em que eu estava hospedada nas Ilhas Maldivas. Ao conversarmos sobre mergulho, ela me disse que esse lugar ainda é pouco conhecido e explorado, que seus corais são maravilhosos e cheios de vida, sem mencionar na diversidade da vida marinha encontrada por lá. Desde então coloquei Marsa Alam na minha lista de lugares que eu deveria mergulhar, e foi nesse mês de Novembro que eu passei 10 dias curtindo esse paraíso no meio do nada.

Marsa Alam está localizada em uma região remota do Egito, mas isso vem mudando nos últimos anos desde que seu Aeroporto Internacional foi construído em 2001. Localizada à 735 Km da capital do país, Cairo, onde as cidades grandes mais próximas são Hurghada (284 Km) e Luxor (237 Km), Marsa Alam está entre o Mar Vermelho e o deserto.

Marsa Alam, Egito. Por Packing my Suitcase.

Um lugar calmo para relaxar em praias paradisíacas, mergulhar, fazer snorkeling e viagens de barco, ser paparicado em um spa, e de onde saem os famosos barcos Liveaboards/Safaris – os quais ficam dias em alto mar, voltado para mergulhadores. Além de tudo isso, é um lugar ensolarado o ano todo, e um destino bem barato, especialmente para os Europeus.

Antes que me perguntem, não, não há pirâmides em Marsa Alam, mas sim, tem camelos – frequentemente vistos nas praias e sendo transportados em caminhões nas estradas da região. Pela extensa costa de Marsa Alam, há diversos resorts à sua escolha, mas a área mais comum para se hospedar é em Port Ghalib, onde há um pouco mais de civilização, com restaurantes, mercadinhos, hospital, e claro, o porto de lá. Os hotéis mais afastados do porto são localizados em áreas ainda mais remotas, e se você está planejando fazer mergulho ou passear de barco, um transfer será necessário – alguns resorts estão localizados de 1 à 2 horas de carro.

Marsa Alam, Egito. Por Packing my Suitcase.Marsa Alam é um verdadeiro paraíso para famílias, casais, mergulhadores e snorkelers; águas cristalinas e turquesas, com coloridos corais, onde inúmeras espécies de peixes, moreias, raias, golfinhos, os raros dugongs, diferentes espécies de tartarugas e tubarões podem ser vistos. No entanto, um paraíso como esse deve ser preservado, e devo dizer que fiquei muito decepcionada em ver tanto lixo espalhado pelo lugar, enquanto eu mergulhava cheguei a tirar sacos e garrafas de plástico que estavam debaixo da água, uma pena.

Seria provavelmente uma boa ideia conscientizar a população local e os turistas, talvez até mesmo implementar no Mar Vermelho um dos projetos da organização Project Aware, antes que esse problema se agrave. Ficarei feliz em participar de algo assim!

Para todos considerando visitar Marsa Alam, especialmente para quem quer ir mergulhar, aqui estão algumas dicas que podem te ajudar bastante à planejar sua viagem de acordo com suas preferências:

Informações básicas

Idioma Oficial: Árabe, mas a maioria fala Inglês e Alemão, ou até mesmo Italiano.

Moeda Oficial: Libra Egípcia, no entanto dólar e euro são muito bem-vindos.

Visto: Se você for Brasileiro é bem simples, dá para comprar o visto ao chegar no aeroporto por 25 dólares, um sistema um pouco estranho, bem diferente dos que estou acostumada à ver. Se não for Brasileiro, aqui dá para pesquisar os requerimentos necessários de acordo com a sua nacionalidade.

Segurança: apesar da atual situação política do país, Marsa Alam não oferece nenhum perigo relacionado à protestos ou terrorismo.

IMG_1531

A chegada

Decidi ir de Munique para Hurghada, já que há vôos direto que duram 4 horas e meia. Até o momento ainda não há vôos direto de Munique para Marsa Alam, e as opções com conexão levam praticamente o dia todo!

Ao chegar em Hurghada tínhamos um transfer organizado pelo nosso centro de mergulho nos esperando. Demorou um pouco mais que 2 horas para chegar no nosso hotel, mas devo avisar que os Egípcios possuem um jeito bem peculiar de dirigir, definitivamente não é o meu favorito. Chegamos bem no hotel!

Onde me hospedei

Após meses decidindo onde eu e o W ficaríamos hospedados, escolhemos o resort Marina Lodge at Port Ghalib. O preço era bem justo para uma opção all-inclusive, e os barcos do centro de mergulho que escolhemos saiam diretamente da porta do hotel.

O quarto era bem espaçoso, limpo e silencioso, o staff era bem simpático e prestativo, um dos garçons do restaurante sugeriu um chá para melhorar minha terrível dor de garganta, fiquei extremamente grata. Internet foi um problema – o mesmo em todos os resorts da região – custava 7 dólares por hora, claro que não paguei, então decidi comprar um SIM card com alguns gigas de Internet.

A comida era mais ou menos, mas me parece que isso é algo comum na região. No entanto, eu não estava buscando luxo, principalmente porque passamos a maior parte do nosso tempo no mar, mergulhando.

Escolhendo o centro de mergulho

Ao buscar por um centro de mergulho em Marsa Alam na Internet – em Inglês – verá que o nome Emperor Divers sempre aparece no topo, as opções por lá são meio limitadas. Demoramos para decidir o nosso centro de mergulho, mas depois de tanta pesquisa acabamos ficando com o Emperor Divers. Não é a opção mais barata, e achei que faltou um pouco daquela sensação de se sentir em “família” que normalmente encontro em centros de mergulho menores.

No entanto, eles são bons, com barcos ótimos, com um staff simpático e prestativo, e oferecem um ótimo “house reef” – recifes – para mergulhar. Como eles possuem uma sede no hotel que ficamos, foi bem prático para a gente pegar o barco à passos de onde tomamos café da manhã. Há também outras opções de centro de mergulho em Marsa Alam, ouvi muita gente recomendando o Extra Divers. A verdade é que é necessário saber onde se hospedará, pois alguns resorts ficam longe dos centros de mergulho e é preciso um transfer para ir até o porto.

Marsa Alam é uma parada obrigatória para mergulhadores, principalmente por causa de seus famosos pontos de mergulho, mas é um lugar mais para ficar hospedado na condição all-inclusive, não muito direcionado à mochileiros. Adorei ter ficado em Port Ghalib, e os mergulhos foram um sonho, um paraíso… mas, isso é história para o próximo post!

Marsa Alam, Egito. Por Packing my Suitcase.